Mostrando postagens com marcador Cultura. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Cultura. Mostrar todas as postagens

07 outubro 2014

Vlog - Livros para Ler, Amar e Não Esquecer

Um comentário : | |
Olá, gente!
Hoje tem vlog no ar! E o tema é sobre livros, adoro ler! Falo um pouco sobre livros que li recentemente e sobre um livro que ainda estou lendo, e os recomendo para vocês!

No vídeo falo sobre três livros do John Green: "A Culpa é das Estrelas", "O Teorema Katherine"  e "Quem É Você, Alasca?", que li rapidamente, e que são leituras fáceis, mas não superficiais. Falo também sobre o livro "Man Repeller", uma auto-biografia da blogger norte-americana Leandra Medine, autora também do blog homônimo (veja aqui.)

Ficou curioso? Acompanhe os detalhes no vlog!


Inscreva-se no canal de À Francesa no You Tube aqui.
Siga o blog também pelo Instagram (@afrancesablog), e pelo Facebook (/afrancesablog).

Beijos, boa leitura, e até breve! ; )

11 setembro 2014

Dica de Livro Bacana: Paris Versus New York

2 comentários : | |
Olá!!

Sabe aquele livro divertido e bonito que a gente deixa deitado sobre um móvel, na sala ou no quarto, porque serve de decoração e porque tem muitas imagens, e é convidativo a folhear? Pois é!
Tenho um desses, modernete e bacanérrimo, pra indicar. Nada mais atual, criativo, e mais “combinante” com o estilo livro-decoração-divertido-descolado do que este: Paris Versus New York!
Esse desenho de óculos é uma marca registrada do autor Vahram Muratyan. Fofo, né?!
Criado pelo designer gráfico Vahram Muratyan e editado no Brasil pela Intrínseca, o livro antes de tudo foi, e ainda é, um blog! Vahram vive entre as duas cidades que dão nome à ideia do blog e do livro, e tendo o background de designer gráfico, criou os desenhos icônicos e criativos que comparam as cidades em suas principais características
A bossa da ideia é ver traduzido nas ilustrações de Vahram como duas cidades tão importantes socialmente, economicamente, culturalmente, enfim, abrigam um estilo de vida tão diferente. E ao mesmo tempo semelhante em sua peculiaridade.

Você encontra variadas ilustrações do livro no blog de Vahram (visite também o Facebook do projeto) para comprar e não fazer download, pois a resolução é baixa. Detalhe importante: o site que vende as ilustrações impressas em papel, em lona e/ou enquadradas de Paris Versus New York entrega no Brasil, uau!!! Fiquei com vontade de encomendar alguns quadros, mas ainda assim super recomendo ter o livro em casa, para deixar de decoração, e para folhear e se divertir de vez em quando (deixo o livro sobre o rack, em minha sala). Uma vez que se trata de um daqueles livros com imagens que são sempre interessantes e instigantes para ver e rever. Eu fiz questão de tirar fotos do livro para dar um gostinho do que é folheá-lo e escolhi algumas das minhas imagens e comparações preferidas.

Vamos às imagens, qua falam por elas mesmas e não demandam explicação:

Ainda não conheço Nova York pessoalmente, e tenho certeza de que vai ser ainda mais interessante conhecer a cidade depois de ver as ilustrações deste livro.

É possível encontrá-lo para comprar nas grandes livrarias. Encontrei na Saraiva para comprar on-line, por R$29,90 (preço bom, livro colorido e de capa dura!).

E você, o que acha das ilustrações, e das comparações entre Paris e New York?
Espero que tenha se divertido com as imagens! Até a próxima!

30 agosto 2014

Série para Viciar: New Girl

2 comentários : | |
Oi pessoal!

Curtem assistir séries? Eu gosto muito – relaxa, é barato, entretém, e une famílias e casais, grudados no sofá, em frente à TV (série + pipoca + frio e cobertas no sofá = satisfação garantida).
Hoje venho falar de uma série muito boa! Trata-se da New Girl (Fox - assista episódios até a 2a temporada no Fox Play), que amei conhecer e da qual virei fã (alô, vício: impossível ver um episódio só), e por isso recomendo. É um problema esse negócio de assistir série – você começa vendo o primeiro episódio, depois vê o segundo pra ver como a história se desenrola... e aí, quando percebe, já está nessa tal base do vício.
New Girl é uma série de comédia bem leve sobre amizade e romance, em que cada episódio tem uma história fechada, embora exista uma continuidade de fatos que se desenrolam em sequência ao longo das temporadas, mantendo o espectador preso.  A série começou em 2011 e hoje já está em sua 4ª temporada.
Jess (a ótima atriz e cantora Zooey Deschanel) é uma jovem professora infantil que decide ir morar numa república, dividindo apartamento com três rapazes, depois de ter sido traída pelo namorado com quem morava. Jess é uma personagem incrível, com seu jeito inocente, humor bobo, e fashionismo vintage (o figurino da Jess é realmente uma graça, tem muitas referências da Kate Spade, por exemplo, muitos laços, bolinhas, vestidos, saias, cintura marcada, e destaco seus óculos de grau muitas vezes sem lentes). 
Jess e seu estilo romântico-vintage-fofo. As luvas são dispensáveis, né?
E seus 3 amigos (a amizade com os colegas de apartamento nasce rapidamentee é o ponto forte da série) são um caso à parte para compor o humor: Schimidt (Max Greenfield), o conquistador profissional, Nick (Jake Johnson), o barman desleixado e sensível, e Winston (Larmone Morris), o ex-jogador de basquete que procura seu lugar no mundo e um emprego decente. Jess ainda tem a melhor amiga e super modelo Cece (Hannah Simone), com quem divide suas aflições e segredos. Eu estou acompanhando a série em atraso, e soube na Internet que na 4a temporada um outro personagem se agrega a este time de amigos, mas não quero tornar isso um spoiler, então paro por aqui nos detalhes de personagens da série. 
O roteiro é sempre afiado, original, com falas de humor inteligente, embora simples. As pitadas de romance, o pouco drama e o pano de fundo da amizade e da busca por um significado na vida fazem fácil conexão da série com o espectador, de forma engraçada e envolvente.
E aí, ficou com vontade de assistir, ou já acompanha New Girl?
Bom final de semana, e até breve!

23 agosto 2014

Por Aí: Filme para Relaxar + Bienal do Livro no Final de Semana!

Nenhum comentário : | |
Oi pessoal!

O final de semana já está aqui, e é preciso aproveitar! Porque já disse alguém: “A vida é curta demais para ser pequena.” Né?

Um cineminha sempre vai bem pra relaxar! Assisti esse filme ontem e saí do cinema mais leve.

Sex Tape – Perdido da Nuvem 

Acabou de estreiar, é com a Cameron Diaz (que pelo jeito não vai sair do


gênero de comédia nunca mais) e um ator que eu não conhecia, Jason Segel. É risada na certa! Bem bobo, daqueles que você assiste e sente que deu uma esvaziada na mente – no bom sentido. Conta a história bem atual de um casal que já não tem muita intimidade depois de anos de casamento, e grava um vídeo de uma noite juntos no Ipad para apimentar a relação. E o vídeo vai parar na Nuvem! Por acaso, o marido gosta muito de Ipads, compra novos sempre, e já repassou seus antigos para vários conhecidos, que acabam tendo acesso ao vídeo por conta do compartilhamento com a Nuvem. Bobo, mas engraçado!
Assista o trailer!


Bienal do Livro
 
Outra dica muito boa para o final de semana é a Bienal do Livro, em São Paulo, que já está na 23a edição! Começou ontem, dia 22, e vai até dia 31 de Agosto, no Anhembi. Sempre quis ir, e este ano eu vou! As atrações são várias, dá pra ficar sem saber o que fazer primeiro.

Confiram as atrações além da exposição de livros:
  • Salão de Idéias (fóruns e palestras),
  • Espaço Imaginário (exposições),
  • Presença de autores (um deles é Maurício de Sousa, AMO a Mônica!)
  • Anfiteatro com apresentações musicais e peças, 
  • Arena Cultural com os escritores Best Sellers Nacionais e Internacionais
  • Cozinhando com Palavras, em que autores de livros de culinária e gastronomia ensinam receitas (quero muuuito ir ver!)
  • Escola do Livro, para profissionais do setor
  • Conteúdo em Convergência, um congresso sobre livro digital

Tem muito mais no Site da Bienal! No site existe uma Galeria Instagram, em que todas as fotos postadas com a hashtag #BienalDoLivroSP são exibidas! Doida pra ir logo, e depois contar tudo que vi e fiz aqui no blog!

Bom final de semana, e até breve! Bjoos!

14 agosto 2014

12 Coisas Que Mais Amo em Paris - Parte 1

4 comentários : | |
Bom, que eu amo Paris não é novidade – afinal, olha aí o nome e toda a temática deste querido blog! Mas quero compartilhar com vocês doze coisas (lugares, comidas, passeios, inspirações) que mais amei na Cidade Luz! Quero dividir isso com vocês porque Paris nunca me sai da cabeça, e esse post tem que fazer parte deste blog - para vocês que já foram à cidade, e para vocês que ainda irão (sim, ir à Paris deveria estar na lista de viagem de todas as pessoas, mesmo que seja complicado). A lista está em ordem aleatória porque realmente não sei e nem quero classificar nenhum item, seria injusto!
   
1 – O Arco do Triunfo




Gente, o Arco do Triunfo (Arc de Triomphe) é um fenômeno. É muito impressionante de ver. É quase vivo, vibrante, enorme (o bicho tem 50 metros de altura, quase um prédio de 20 andares), realmente triunfal. E meu primeiro contato com o Arco pareceu uma cena de filme. Meu hotel ficava perto do Arco (a escolha do local não foi proposital, mas amei a coincidência depois), por isso chegando à Paris logo peguei o trem com o meu marido para a estação mais próxima do hotel. Onde era a estação? Embaixo do Arco do Triunfo! E pra sair dela, você pega uma escada rolante, que sai direto na rua. Gente, a cena é indescritível, mas vou tentar aqui. Eu, cansada, entrei na escada rolante, puxando a mala grande que levei (sonho de vida: aprender a fazer malas pequenas), meu marido logo atrás. Ansiosa pra ver o mundo parisiense lá fora, que tinha visto só do avião e do trem, e a escada subindo. Quando, de repente, começa a aparecer no alto da escada, o Arco. Meu Deus. E ele vai surgindo, como se estivesse imergindo, aparecendo mais e mais, enorme e absoluto, contra um céu inacreditavelmente azul. Eu fiquei embasbacada. Minha primeira visão de Paris foi o Arco, e me conquistou pra sempre.

O Arco do Triunfo é uma homenagem às vitórias militares do Napoleão Bonaparte (que, aliás, é relembrado em diversos monumentos e pontos históricos de Paris – inclusive seu tumulo é um enorme mausoléu no Palácio dos Inválidos – Hôtel des Invalides, que dentre outras coisas é também um museu e pode ser visitado), e terminou de ser construído em 1836. 

O Arco fica numa praça considerada uma etoile, ou estrela, porque dela saem duas grandes avenidas, e outras dez ruas, tudo simétrico em relação ao Arco. Em Paris, tudo é simétrico, né. Uma das avenidas que sai da praça é a famosa Champs Elysees, com seu comércio, restaurantes e vida pulsante até altas horas da madruga (mas essa avenida tem lugar na lista, aguarde aí).

Você pode pagar e subir no Arco pra ver a vista maravilhosa lá de cima, incluindo a Torre Eiffel (está nessa lista também, claro) e o pequeno museu e lojinha que existem dentro. Para chegar perto, tocar e tirar fotos, não é necessário pagar. Mas vale a pena subir - como Paris é plana, de lá você vê, em 360º, praticamente a cidade inteira, inclusive a Torre Eiffel.


2 – As Brasseries e Pâtisseries


Nossa, essas casas de pães (o parisiense adooora levar uma baguete enrolada no jornal, ou mesmo sem jornal e sem nenhuma proteção, debaixo do braço), doces, tortas e guloseimas são um caso à parte em Paris. As vitrines chegam a ser um desaforo de tão chamativas e deliciosas de ver! Há várias brasseries em Paris, espalhadas pelas esquinas, e a cada vez que eu via uma, parava pra babar na vitrine e queria tirar foto. Só não comprava um doce toda vez pra não engordar, mas dava vontade! E posso falar? Os doces são de outro mundo. Nada se compara.

3 – A Ponte Alexandre III


Apresentando maridão Daniel Person
Essa ponte atravessa o Rio Sena, e é de longe uma das mais bonitas de Paris. É toda pintada de branco, e tem monumentos em ouro e ferro em suas extremidades e ao longo de sua estrutura. A ponte parece um sonho, com tanto brilho e destaque. De qualquer ângulo as fotos ficam boas! Curiosidade – Alexandre III foi um Czar da Rússia, e a ponte simboliza a aliança entre o país e a França.


4 - O Museu D’Orsay




Não vou falar especificamente do Museu do Louvre aqui, porque o post é sobre o que mais amei. O Louvre é fenomenal (abriga muitas relíquias da arte como a Monalisa e a Vênus de Milo), sem dúvidas, mas ganhei um carinho pelo Museu D’Orsay e as suas obras maravilhosas do Impressionismo, dentre outras várias obras. Tudo em Paris tem algum embasamento histórico, e no caso deste museu, o embasamento é curioso – o local costumava ser uma estação de trem (Gare D’Orsay), que antes ainda era um palácio administrativo, e depois chegou a ser centro dos correios. Um trem chegou a cair da estação e ficar pendurado para fora (uma fotografia dessa cena desastrosa foi capa do CD Lean Into It, da banda Mr. Big, que por sinal adoooro), e a estação com seu enorme relógio chegou a ser relembrada no filme A Invenção de Hugo Cabret. Por tudo isso, pela beleza do lugar, e por suas obras, amo esse museu!

5 – A Ponte dos Cadeados


Outra ponte na lista? Sim! Mas esta não chama atenção pela beleza, e sim pelo significado. São na verdade várias pontes ao longo do rio Sena em que as pessoas prendem cadeados com seus nomes escritos, e jogam a chave no rio, para simbolizar amor eterno. É claro que meu nome e o do meu marido estão lá, num cadeado! Saca a minha carinha de emoção na foto!




6 - Os Parisienses e o Joie de Vivre
 
Os Parisienses sabem viver. Essa coisa do Joie de Vivre, ou alegria de viver, tipo no estilo carpe diem, é verdadeira! Ao menor sinal do Sol (lá faz frio durante grande parte do ano, e venta muito), eles se espalham nas praças e avenidas, sentam no chão mesmo, fazem piqueniques, soltam seus cachorros para correr na grama (é lindo de ver), sentam nos bancos espalhados em volta dos jardins e ficam literalmente curtindo a vida! Parece que o estresse ocidental não atinge o parisiense da forma que vejo atingir o brasileiro. E eles comem bem, mas são esbeltos, e também se vestem muito bem! No metrô todos dão licença, e parecem não se incomodar com a horda imensa de turistas de todos os lugares do mundo, o tempo todo!

Maridão só no joie de vivre e parisienses na mesma vibe
Discordo completamente, me perdoe, de quem diz que o francês é mal educado. Pela primeira vez na minha vida alguém ficou segurando a porta de saída de um estabelecimento ao me ver me dirigindo à saída, mesmo ainda estando um pouco longe! A pessoa ficou realmente segurando a porta, que fecharia sozinha, esperando eu e meu marido chegarmos. Gentileza totalmente gratuita. Quer mais? Tem. Em frente ao Pantheon de Paris existe um calçadão, e ao lado do Pantheon também no calçadão está a Universidade de Paris, a famosa Sarbonne. Fui até lá com o meu marido para visitar o Pantheon (lá fica o pêndulo de Foucault, que com esse experimento provou que a Terra gira, e ficam também alguns túmulos de notáveis, como Voltaire, Braille e Victor Hugo) bem no horário do almoço. E por isso havia muitos estudantes sentados no chão do calçadão, comendo! Várias rodinhas de gente jovem e moderna, conversando, fazendo anotações, mordiscando seus lanches. Eu, com pensamento ligado ao que vejo no Brasil, logo pensei: “ih, olha a lambança que isso aqui vai ficar quando todo mundo for embora”. A-ham. Visitamos o Pantheon, e depois de cerca de 40 minutos, saímos. O calçadão?! Extremamente limpo. Não havia uma migalha, um papel, um guardanapo, uma lata. Nada, nada. Limpeza geral, minha gente, de dar orgulho.

E tenho mais um exemplo. Na sequência do passeio no Pantheon, almoçamos numa creperia, e fomos aos Jardins de Luxemburgo, que ficam logo perto de onde estávamos. Lá existe um lago pequeno com patinhos, e cadeiras em volta, para as pessoas sentarem e curtirem a vida. Estávamos lá, e duas francesinhas jovens vieram puxar assunto, perguntar de onde éramos, e se oferecer para tirar uma foto nossa (isso é sempre uma oportunidade, do contrário todas as fotos têm somente um de nós dois), na maior simpatia! Poderia escrever mais mil posts só sobre isso.

AMO o joie de vivre francês!


E aí, curtiram?! Esse post tem a parte 2 ainda, então aguardem!! E enquanto isso, acompanhem o blog!

13 agosto 2014

Look da Pitty no Programa Encontro com Fátima Bernardes

Um comentário : | |
A cantora Pitty esteve hoje de manhã no programa Encontro com Fátima Bernardes, e usou um look delicado, com um vestido muso!
E eu descobri da ondeee!
Como amo Antix e todo o romantismo que essa marca tem, na hora percebi que o vestido, e o cinto, são de lá!

Destaque para a make delicada e o cabelo com trança solta jogada de lado, meio tipo donzela-não-tô-nem-aí.

O vestido tem até nome - Céu de Borboleta (da coleção de Inverno 2014 "O Céu da Celeste") - e ficou super bonito na Pitty - veja a cantora usando o look abaixo (peninha que a foto em que ela está sentada ficou tremida), e as fotos do original, e do cinto, na Antix Store. O vestido já esgotou na loja on-line, mas há lojas físicas da marca na cidade de São Paulo, no Rio de Janeiro, em Recife e em Jundiaí (veja mais aqui). E sei que a marca revende para lojas multimarcas também.

Confira aí e me conte o que achou!
 


 
Imagem - site GShow - Globo


Imagem Antix Store

Imagem Antix Store

05 agosto 2014

Cinema - Os Guardiões da Galáxia

Nenhum comentário : | |

Já começo aqui dando minha posição clara sobre Os Guardiões da Galáxia, a mais nova estreia cinematográfica da Marvel em parceria com a Disney, recém chegada ao Brasil neste final de semana. O filme é bom, bom demais. Já assisti duas vezes neste tempinho curto desde a estreia, justamente porque queria absorver ao máximo os detalhes de um filme tão criativo. É, e quero ver a terceira. E, sim, é de ficção científica, é de quadrinhos, e é dos bons. Eu explico por que!  
 

 Antes, um resumo do enredo. O Senhor das Estrelas, ou Peter Quill (o bonitão Chris Pratt), é abduzido da Terra ainda criança, e na vida adulta, se torna saqueador. Ao roubar uma esfera para revendê-la no mercado negro, se envolve com um grupo de personagens de outros sistemas e planetas, também interessados no valor do objeto: a perigosa Gamora (Zoe Saldana), a árvore humanóide Groot (dublagem de Vin Diesel), o fofo guaxinim geneticamente modificado Rocket (voz de Bradley Cooper), e o amargurado Drax (Dave Bautista).  Ao descobrirem que a esfera contém um poder que pode dominar o universo, o grupo inusitado se une contra o vilão Ronan (Lee Pace) para impedi-lo de roubar o objeto, e assim, garantir a segurança das galáxias.

Ataque de fofura com esse guaxinim exxxperto!
A direção de James Gunn surpreende pelos ganchos de roteiro que prendem a atenção mesmo em momentos inesperados, com pitadas de drama, comédia, ação, e personagens pra lá de cativantes. A fotografia tem nitidamente o estilo dos quadrinhos, com cores fortes e tomadas grandiosas. Eu ri muito, e confesso que chorei (tá, eu sou uma manteiga derretida) em alguns momentos. Também tive ataques de fofura pelo guaxinim Rocket (mesmo ranzinza e com jeito marrento é totalmente fofo) e pela árvore humanoide Groot, assim como quis dançar com a trilha sonora, e fiquei presa ao suspense dos momentos de clímax. E notei reações parecidas no cinema todo, nas duas vezes em que assisti ao filme. Sabe aquele clima bom que você sente quando todo mundo está curtindo? Tem até um pouco de romance! Tudo isso sem tornar o filme uma salada confusa. Embora exista uma pitadinha da inocência infantil, na pegada Disney. Mas sabe que isso encanta?

A trilha sonora leve e dançante no estilo anos 70 conquista já na cena inicial, e quebra o paradigma de cenas típicas como as de ação, levando a gente no balanço até os últimos minutos. É pra dar vontade de dançar, mesmo. Tem de Hooked on a Feeling, do Blue Sweed, a Cherry Bomb, das Runaways, passando por Escape (The Piña Colada Song), de Rupert Holmes.

É de prender a atenção do início ao fim, no melhor estilo de um Blockbuster, a ponto de a gente se ver torcendo no final pra ter o segundo filme. Super recomendo! E não falo mais, pra não estragar. ; )

Pra ver o trailer, clique aqui.
E aí, ficaram a fim de ver? E quem já assistiu, o que achou? Me contem!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...